4 de mai de 2016

O orgulho dói

O orgulho machuca muito. Direta ou indiretamente, consciente ou inconscientemente. Pode passar em branco à mente, que não percebe o que instala súbitos mal estares: mas, não raro, é ele a causa.

O orgulho deságua em escolhas ruins, fazendo-nos traçar o que podemos dizer que há de pior. Em suma, confunde-se com a cegueira.

A cegueira espiritual, guiada pelo orgulho, materializa catástrofes comuns e danosas: em relacionamentos, nos projetos e trabalhos, de dia e de noite. Sem trégua, lucramos prejuízos.

Tal cegueira nada mais é do que não querer enxergar o que precisa ser visto. Quando o que precisa ser visto fere nossas pretensões absolutistas (de controle, estabilidade, superioridade, etc.), o orgulho é a arma de defesa: melhor não ver, não aceitar, não entender.

Negar. Negar. O orgulho nega. 

O orgulho é a negação da verdade. Só a verdade liberta. Só a verdade vai nos libertar do que não queremos enxergar: desde os mais simples e normais acontecimentos do cotidiano, até o que consideramos como realidades grandiosas. 

Enquanto preferirmos não aceitar e negar, lutaremos com esta arma chamada orgulho. Mas, cuidado, porque ela costuma ter a pontaria voltada para quem atira.

O orgulho dói, é o tiro invisível que damos em nós mesmos. Então, por favor, sejamos a favor da verdade, da compreensão que consegue transcender os desejos contraditados. 

Se não aconteceu como você queria, se não é como você queria, se não está como você queria... não utilize a arma chamada orgulho. Reconheça e reconheça-se. 


Nenhum comentário:

Postar um comentário