20 de set de 2015

Vamos conversar sobre reforma íntima?

Reforma íntima: transformar o que está dentro de você. É um tema ousado da Doutrina Espírita, porém indissociável da mesma, pois é com mudanças que evoluímos espiritualmente.

Mas mudar o quê? E por quê? E, talvez o mais importante, como mudar?

Primeiramente, que tal um raciocínio diferente do que habitualmente costumamos dizer? Quando você quer mudar, pensa: preciso mudar isso porque é errado. Um novo raciocínio seria: quero mudar essa minha característica porque acho que ela me atrapalha/não me é necessária

Para fazer uma reforma íntima consciente, é bom sair do certo/errado e entrar no melhor/desnecessário. Certo e errado aumentam a culpa e os desgastes, que podem até fazê-lo desistir deste longo processo de melhoramento íntimo.

E como é longo! Sim, a reforma íntima não é algo de apenas uma encarnação. Você não vai começá-la agora e desencarnar espírito superior ou perfeito. 

O espírito não muda facilmente. Imagine um vício físico, como o álcool: é custoso para o alcoólatra se desvincilhar deste problema - com um vício moral, é ainda mais intensa a dificuldade do processo de desligamento. 

Por isso precisamos começar o quanto antes. Claro, provavelmente, você, leitor interessado em espiritualidade, já está em uma reforma íntima - não se precisa de conceito nem didáticas teóricas, o melhoramento espiritual é algo que se dá naturalmente com as existências. 

O diferencial da reforma íntima espírita é justamente o fato de ela se oferecer como algo extremamente consciente e proposital. Você quer e sabe o que está fazendo. Você quer melhorar e se esforça para isso.

Não existe receita de como fazer a reforma íntima. No máximo, podemos indicar e trocar dicas, recomendações de quem as colocou em prática e julga ter dado certo.

Por exemplo: focar em uma coisa de cada vez e, periodicamente, como toda semana, trocar o alvo. Em uma semana você foca analisar sua impaciência, na outra semana a sua preguiça, etc., ganhando consciência sobre esses comportamentos e se esforçando para alterá-los em prol de sua saúde espiritual.

Concluamos que a vida é eterna, mas depende de você quando querer abrir os olhos do espírito para o que você pode fazer a fim de ser melhor.

Não existe felicidade sem paz de consciência. E não existe paz de consciência sem fazer todo o bem possível por você e seu próximo. Comece agora o que pode ser feito agora!

Textos recomendados:

Entendendo a si mesmo: Mecanismos do egocentrismo
Entendendo a si mesmo: Renovando o velho homem
Não se pressione tanto

Um comentário: