3 de jan de 2014

O valor do silêncio


Estima-se muito a fala. Esta habilidade, imprescindível para a vida em sociedade, não foi adquirida à toa. Mas muitas vezes a desperdiçamos seriamente. Dizemos coisas que magoam ou influenciam negativamente as pessoas, liberamos um ''veneno sonoro''. 


Saber quando falar e o que falar é necessário. Sem isso, se é vítima da própria ignorância maledicente.  Contudo, nem sempre há o que falar. Por isso existe o silêncio. Desvalorizado para alguns, inestimável para quem já conseguiu reconhecê-lo.

Quantas vezes não ouvimos o que não queremos, o que nos fere de algum modo? Antes de pensar ''não levo desaforo pra casa'', pense: quem me ofende está doente. Sim, todo agressor é um doente. Nós mesmos, se repararmos quando fazemos tais coisas, veremos que estamos ''doentes da alma'' no momento. 

Para quem ofende, sendo vítima do próprio fracasso interior, uma resposta ao mesmo nível é um jogo que perpetua ''indecididamente'' a tensão. Mas com o silêncio, outro tipo de resposta é dada. Inacessível, não raro, à própria interpretação da consciência no momento.

Aceitemos que, algumas vezes, não há o que responder. Compreender o valor do silêncio é um pulo após compreender o valor da fala. Um se liga ao outro. No equilíbrio dinâmico do Universo, estamos sempre de acordo com as escolhas que fazemos. Você já escolheu não revidar desequilíbrio com desequilíbrio?

Nenhum comentário:

Postar um comentário