31 de jan de 2014

Fora da caridade não há salvação para ninguém

Uma das principais máximas espíritas, nos ensinada pelos Espíritos, reforçando o que Cristo proclamou há dois milênios, é ''fora da caridade não há salvação''.

A real caridade para outrem é quando ajudamos sem interesses, sem segunda intenções. Caso contrário, estamos trabalhando para nós mesmos. Ou seja, é o ego falando mais alto. Somente quando transcendemos os interesses pessoais para auxiliarmos alguém é que estamos praticando a caridade cristã. 

Ajudar dispensa críticas e recriminações perturbadoras, má vontade gerada por sentimentos de obrigação ou não ter outra opção. Você pode ser útil de diversas formas, não se reserve a atrapalhar.

Através do trabalho benéfico escoamos débitos, dívidas espirituais. Por isso é que nos ''salvamos'' através da caridade, é por ela que Deus nos concede a oportunidade de nos livrarmos daquilo que atraímos de negativo para nós e os outros, não necessitando apenas da dor. Além disso, a caridade é um forma de elevar a alma, pelos sentimentos que suscita.

A mediunidade nos concede um atual e dinâmico exemplo de ''caridade-trabalho-dívida''. A maioria dos médiuns é formada por indivíduos com pesadas dívidas à Providência, e, por esforço, têm a condição de saldar partes pelo trabalho mediúnico. 

Seja prestando auxílio à saúde, as dores e sofrimentos da alma por um centro de Umbanda ou dando passes energéticos, fazendo cirurgias espirituais e conduzindo edificantes psicografias e outras formas de mensagens pelo Espiritismo, o médium está cumprindo com um dever que firmou no Plano Espiritual, antes de reencarnar. 

Salda, pelo trabalho caridoso, suas dívidas seculares. Nem sempre escolhemos o caminho correto, nem sempre nos colocamos dispostos aos compromissos que firmamos (o desenvolvimento mediúnico foi um exemplo), então surge a dor: um convite à reflexão.

A nossa elevação e transição espiritual é palpada pela reforma íntima, isto é, a caridade para nós mesmos, e o auxílio desinteressado e humanizado aos que nos cercam. Por outro caminho, continuamos sendo os vagões cegos pelo egoísmo e imaturidade espiritual, do incontável trem deste planeta.


Nota: A partir de agora, a frequência de publicações no À Luz da Seara será majoritariamente semanal; preferencialmente entre domingo e segunda. Não deixe de ler e pesquisar os outros mais de 90 textos do blog. Obrigado pelo seu tempo por aqui. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário